domingo, 21 de fevereiro de 2010

XCVII

Arguto, um cadáver acorda, olha para mim através das órbitas vazias e fala sem precisar de mover o queixo.

1 comentário:

  1. Trata-se dum texto onde a fantasia visita o fantástico, dando-o à imaginação.

    ResponderEliminar